• SINCODIVES

  • LEGISLAÇÃO

  • EVENTOS

  • ESTATÍSTICAS

  • COMUNICAÇÃO

  • ESTUDOS

  • INSCRIÇÃO


Queda entre usados persiste e venda de veículos leves recua 23%

Publicado em 06/05/2022

A venda de automóveis e comerciais leves usados somou, em abril, 675,3 mil unidades e anotou queda de 13,7% na comparação com março, que teve mais dias úteis. A média diária se manteve estável de um mês para outro, na casa dos 35,5 mil veículos. No acumulado do ano foram negociados 2,68 milhões de carros, o que indica significativa queda de 23% na comparação com iguais meses do ano passado.

Os números foram divulgados na quinta-feira, 5, pela Fenabrave, que reúne as associações de concessionários. “Como 2021 teve o maior volume da história nas transações de usados, temos uma base de comparação alta”, afirma o presidente da entidade, José Maurício Andreta Júnior. Outros motivos apontados pelo setor são a grande valorização dos usados (pela escassez e aumento de preço dos zero-quilômetro), maior seletividade dos bancos no momento de aprovar o financiamento e juros elevados.

A cada carro ou comercial zero-quilômetro entregue em abril foram negociados cinco usados, exatamente como em abril do ano passado. De acordo com a Fenabrave, a negociação de modelos seminovos (com até três anos de fabricação) responde por 10,7% do total de transferências.

Mercado dos caminhões é semelhante: queda de 25,8%

Em abril foram negociados 22,9 mil caminhões de segunda mão, queda de 15,5% ante março. A média diária de vendas teve pequena retração, mas ainda se manteve pouco acima de 1,2 mil unidades. A cada zero-quilômetro entregue foram vendidos 2,4 caminhões usados, bem menos que um ano atrás, quando a proporção entre usados versus novos esteve em 3,2 para 1. Além do maior rigor dos bancos, a alta do diesel e o baixo valor dos fretes desencorajaram o consumidor a trocar de veículo no período janeiro até abril.

Ônibus mantêm alta no acumulado de 2022

As transferências de ônibus usados somaram 3,2 mil unidades em abril, recuo de 19,1% na comparação com março. A cada unidade nova entregue em abril foram negociadas 2,2 usadas, índice semelhante ao de abril do ano passado (2,1).

O acumulado do ano teve 12,7 mil unidades negociadas, o que resulta em alta de 6,2% sobre iguais meses de 2021. Desde o acumulado de março, os ônibus se mantêm como o único segmento entre os usados com alta na comparação com 2021.

A explicação pode estar na retomada do transporte público e na atividade turística, que começam a movimentar a vendas de modelos novos, puxando para cima as transferências de modelos de segunda mão.

A cada dia útil, 11,9 mil motos transferidas

Em abril foram negociadas 226,5 mil motocicletas usadas. O número total indica queda de 12,8% na comparação com março, mas de um mês para o outro a média diária de transferências subiu de 11,8 mil para 11,9 mil unidades usadas.

O acumulado do ano teve 876,9 mil unidades, o que significa queda de 14,6% na comparação com iguais meses do ano passado, aqui explicada não só pela base de comparação elevada, mas também pela recuperação dos estoques das concessionárias.

“O mercado está mais receptivo para as motos novas, que vêm apresentando aumento nas vendas, mesmo com restrição de crédito para financiamentos”, afirma Andreta Júnior. A proporção entre novas e usadas confirma as palavras do executivo. Em abril foram vendidas apenas 2,1 usadas para cada nova emplacada. Um ano atrás essa taxa era de 2,6 para 1.
Queda entre usados persiste e venda de veículos leves recua 23%

Compartilhe:

 

 

Visitas: 44

Fonte: Automotive Business

FALE CONOSCO