DATA - Data
terça-feira, 22 de janeiro de 2019
Defendendo os interesses e representando a categoria.
SMAPF - Menu de Context
SMAPN - Titulo

Para-brisa trincado

CONT - Conteúdo

Quem pega a estrada com frequência não está livre de ter o para-brisa danificado por uma pedra solta na via. Mesmo na cidade, o problema pode ocorrer.

Nesses momentos, o ideal é procurar logo assistência para resolver o problema. Trafegar com o para-brisa danificado é ilegal, já que compromete a segurança.

Quando a fissura está no campo visual do motorista, deve ser feita a troca do para-brisa. Nesse caso, a substituição é necessária pois o reparo pode provocar uma distorção ótica no vidro, prejudicando a visibilidade do condutor, já é possível reparar as trincas com qualidade.

Para ser reparada, a trinca não deve ocupar o campo de visão do condutor nem ficar a 2,5 cm das bordas. Tem que ter menos de 10 cm de comprimento. As fissuras em forma circular não podem passar de 4 cm de diâmetro.

Recomenda fazer o reparo assim que o dano ocorrer. Se impurezas entrarem na trinca do vidro, a manutenção será prejudicada. A pressão do vento, mudanças drásticas de temperatura e deslocamento da carroceria do veículo podem fazer a rachadura aumentar.

As trincas que formam pequenas linhas do vidro, semelhantes a uma estrela, são as mais graves e oferecem maior risco de aumento da rachadura.

Um fator que impede o conserto é quando a fissura rompe o plástico que fica entre as duas lâminas do vidro. O reparo leva cerca de 30 minutos para ser concluído.

Tire suas dúvidas

Só colar o adesivo na parte trincada resolve?

Em primeiro lugar, o motorista deve proteger o local com um adesivo, para manter a fissura limpa e sem umidade. As seguradoras costumam dar estes adesivos, mas, caso o condutor não tenha este material, pode usar fita crepe ou isolante. O adesivo serve apenas para proteger o local da fissura. Assim que for colocado, o carro deve ser encaminhado para o conserto.

Trincas nas laterais ou na traseira podem ser reparadas?

Não. Esses vidros são temperados e se estilhaçam em muitos pedaços em caso de quebra. Caso haja dano, têm que ser trocados.

Como o reparo é feito?

A técnica usada consiste em, primeiro, retirar o ar da trinca por mecanismo a vácuo e injetar uma resina especial na rachadura. Exposta à luz ultravioleta, a resina endurece e se incorpora às moléculas intactas do para-brisa.